quinta-feira, 12 de março de 2009

CUTIS

Devorei-a como uma flor,
Pétala por pétala suas pretensões a santa foram caindo
Seu corpo eivado de pecados, seus lagartos e cobras
Foram fugindo das tocas

Eu, sedento pelo corpo, sugava a alma pela porta dos olhos,
Melíflua e exaltada pelo desejo, pelo gozo latente,
Pela pele em fogo e as entranhas em erupções eternas.
Eu, que achava que a devorava, fui jantar e sobremesa,
E só o percebi depois do cigarro em brasa e o aluvião de fumo em minha cara.

3 comentários:

Ademar Oliveira de Lima disse...

"Pétala por pétala suas pretensões" se tranformaram em poesias!
Parabens Prof. Ademar!!!

Mariliza Silva disse...

Ai que calor gostoso que me deu!!!rs

Querido

Renovei nossa casa: o blog “tempodesaturno.blogspot.com”

e agora com meus amigos blogueiros linkados devidamente para que eu possa acompanhá-los com mais frequência!

Visite também meu novo blog “comentariosnotempo.blogspot.com” (anexo do Tempo de Saturno) com os Comentários em forma de poesia que recebi nos posts do Tempo.

Aguardo sua visita!

Sugestões são bem vindas!

Um grande abraço

Mariliza Silva

Filhas da Pagu disse...

Muita pretensão meu caro... rs

Lindo texto, uma delícia de ler, esquenta a espinha!

Bjs!