sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Poema em Delírio

O poema, no passo da valsa
Nas noites de lua, dança leve
Como que levita, bigorna sem asas
Poesia que o faz pairar

O poema, que de pernas sensuais
Enroscam-se no vestido vermelho da dama
De olhos verdes e meias negras
O poema delírio de gozos
De volúpias raras... No versejar

O poema que nos acordes graves do tempo
Insiste em bradar.
Poema no beijo do lábio, nos seios,
Nas entre cochas
Que insistem em amar.

2 comentários:

Rita disse...

maravilhoso

Profº Júnior Lima disse...

Rapaz, e o que é que tá faltando procê transformar este blog em e-book? As poesias estão fantásticas. Um abraço!