terça-feira, 27 de setembro de 2011

Até o limiar da dor.

Eu sei que há dores que o grito não basta para expressar
E que a lágrima é muito pouca para o quanto temos que sangrar
As pegadas na própria alma não são feitas para sair, mas apenas para machucar.

No meio da treva densa, dessa escuridão imensa você sumiu atravessada por uma lança, também a cair e gemer, também e como sempre, a sangrar.

Mas nestes casos a morte não resolve muita coisa, não dá para esquecer...a dor ultrapassa as vidas, pois o que doi hoje, vem de tempos de vidas e vidas, e sempre vem muito mais.

A dor de hoje tem a cor da luz de mercúrio, das velas caravagescas, é o bastante somente para ver o despero e os cavaleiros do apocalipse querendo muito mais.

3 comentários:

Sara Saraiva disse...

Fantástico. :)

Antonio Sávio disse...

:)

Sara Saraiva disse...

Postei esse texto. :)
Obrigada pela gentileza de sempre. :D


http://elmundosara.blogspot.com/2011/10/nada-mais-que-isso.html